quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

AUTONOMIA DO BANCO DE PORTUGAL?



É sabido que a actual autonomia do BdP (Banco de Portugal) foi muito limitada pela sua integração no SEBC (Sitema Europeu de Bancos Centrais). Outrora completamente independente para estabelecer a sua política monetária, a nossa integração no Euromercado e a adopção do Euro como moeda, diminuíram fortemente a autonomia do BdP como regulador do sistema financeiro. Muitas vezes não compreendemos ou aceitamos actuações do BdP, quando no fundo o seu Conselho de Administração está "amarrado" a regras do SEBC a que não pode fugir, sob pena de gravosas consequências para si próprio e para Portugal. Chegados aqui, é mister comentar as recentes públicas críticas do PM à estratégia do BdP face aos chamados "lesados do GES-BES". Nunca no nosso País um chefe de governo havia ousado criticar o BdP. Não certamente por falta de vontade ou até razão objectiva, mas pela sacrossanta estabilidade do sistema financeiro. Dir-se-á então que se tratou de um lapso, inconsciência ou incompetência do PM? Certamente que não! António Costa (AC) é um político muito experimentado, e nunca por nunca cometeria em público um erro destes. No meu modesto ver, trata-se apenas de uma concepção socialista do Estado e as suas instituições. A chamada "direita" política, acredita piamente nos mercados e promete que o Estado intervenha o mínimo possível nas empresas e instituições. Nos orgãos de supervisão e regulação, então este rigor terá de ser ainda mais assertivo. Os socialistas, ao contrário, acham que o Estado tudo deve regular e cuidar, desde o nosso nascimento até á nossa morte. Neste caso vertente, AC, mesmo que quisesse ou tivesse de intervir, nunca o deveria ter feito em público, pelos óbvios prejuízos que trouxe para a imagem e credibilidade do BdP. 
OBS. Publicado no jornal Público, na sua edição de 23/2/16.
Também publicado (parcialmente) na edição de 27/2/16 do semanário EXPRESSO.

3 comentários:

  1. Também achei muito estranho a atitude verbal de AC, todavia os órgãos de soberania, de facto, estão debaixo de ordens externas. É o que temos.

    ResponderEliminar
  2. Credibilidade do Banco de Portugal? Não me faça rir, senhor Manuel. De facto, o actual governador tem a mesma credibilidade que Cavaco e Coelho, que asseguravam aos investidores que podiam confiar no BES, que uma coisa era o GES e outra, bem diferente, o BES. Claro que os dois, com a rectidão de carácter que lhes é reconhecida, já disseram que nunca o disseram...

    ResponderEliminar
  3. Sr. Górgias, esqueceu-se de falar no falhanço do idolatrado dr. Constâncio, no caso BPN. Mas esse, por ser socialista, é um ungido. Se quiser tratar com seriedade a grave questão da supervisão (diria melhor, falta dela) bancária em Portugal, tome nota que o BdP está dotado desde há 50 anos com uma logística para fazer a supervisão com base em "paper work", ou "red tape", e nunca como um polícia dos bancos. Nos EUA, os prevaricadores são presos pela SEC em pleno dia e em público.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.