terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

DECISÕES SOBRE A VIDA E SOBRE A MORTE



Em consciência, não decido pelos outros, os outros não decidem por mim.Não mato voluntariamente, mas se for necessário fâze-lo - que me peçam -  talvez seja capaz de o fazer, pensando o mais e melhor que puder a tomada dessa decisão.

Não sabemos o dia de amanhã – e ainda bem, vamo-nos poupando entretanto a sustos talvez enormes que estão para vir – mas uma vez mais, se estiver em consciência, numa situação terminal degradante (aos meus olhos) tenho absoluto direito de decidir o meu desfecho.

Compreendo todos os pontos de vista: as questões ontológicas, escatológicas, deontológicas, espirituais e outras que se imaginem. Mas insisto e sublinho que tenho direito, sempre, à minha dignidade, e se ela for no sentido da decisão de morrer, peço que me respeitem e ajudem (caso não o possa fazer).

Se quem estiver a meu lado – técnico de saúde ou familiar – for objector de consciência, afastem-no, chamem quem aceite a minha vontade - acima da sua, porque nesse momento é de mim que se trata - e me ajude a fechar a porta.

A decisão da autorização da eutanásia, não é uma decisão política, que se decida por decreto; não é uma decisão religiosa, deixemos aos deuses as coisas dos deuses e aos homens as coisas dos homens; é uma decisão de vida ou de morte, deve ser tomada por vontade própria, por palavra própria.

Os cidadãos devem manifestar soberanamente a sua opinião por referendo, vinculativo, decisório, a ser seguido sem mais porquês, após o desfecho e a contagem das opiniões.
Discuta-se o tema na praça pública, esgrimem-se opiniões, da conversa floresce sensatez. Agora, não se alimentem profectas, protectorismos, paternalismos, e outras violências extremistas do pensamento, que só servem para  manipular.

A opinião do outro é importante, mas quando se trata do acto mais íntimo do homem – o nascer, o morrer – só dentro dele pode encontrar a decisão certa.

1 comentário:

  1. Ninguém pediu para nascer, mas pede-se para morrer... É um assunto muito complexo e sensível.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.