domingo, 21 de fevereiro de 2016

Divórcio europeu

Sou dos que pensam que a desintegração da União Europeia, a acontecer, terá consequências catastróficas. Sou dos que pensam que, só porque uma cáfila de neoliberais se apropriou do aparelho e subverteu todos os valores da sua construção, não se deve deixar ao abandono a luta para a conduzir ao ideário inicial. Sou ainda dos que pensam que a grande beneficiária de uma eventual débâcle da União será, sem dúvida, a extrema-direita. Seja como for, o caminho que as coisas levam faz-me lembrar aqueles casais em fim de ciclo que não ousam dar o passo do divórcio, por temerem as consequências. Persistem e persistem na paz podre que, normalmente, tem tendência para piorar. Até que, por fim, o cansaço instala-se, e acabam por achar que “já não vale a pena” e que o que vier aí de mau não será certamente muito pior do que “aquilo”. Ora, nem sempre, mas às vezes, o temeroso passo acaba por se revelar menos mau do que parecia, sobretudo quando é dado em condições em que não foram ainda destruídos todos os laços de civilidade. Será que as pontes entre as diversas sensibilidades europeias não estarão a ameaçar ruptura, tudo sendo, depois, mais difícil e, se calhar, inevitável?  É que uma coisa é certa: não é esta a Europa com que se sonhou. Para além de que a usura a que a estão a submeter pode vir a ser demolidora, cada vez menos havendo condições para a “consertar”. A haver divórcio, ao menos que seja amigável. Litigioso, não.


Expresso, 20.02.2016 – texto truncado das partes sublinhadas, que considero de certa relevância, sobretudo a primeira.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.