quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Poema nascido em Setembro de 2014

Tomei o barco da fantasia
E, ao navegar no mar da imaginação
E por artes e manhas de magia,
Fui ter ao meu alvoroçado coração.
E eu, com tanta e grande alegria
E com deslumbrada satisfação,
Acendi o farol, e não sendo ainda dia,
Logo a lobriguei na embarcação.
Então, sozinhos, adentro pelo mar alto
Sem medo de qualquer Adamastor,
Demos, jubilosos, um grande salto
Voando nas asas de um condor.
Agora, mui juntos estamos
Neste barco da fantasia,
Pelo que connosco só contamos
Neste navegar do dia-a-dia.
José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.