sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Samira e Viviane

Quem falhou? De quem foi a culpa?
Todos falhamos!
Quem não teve a culpa, sem sombra de dúvida, foram as pequenas Samira e Viviane, perdidas para o mundo por conta duma guerra de adultos e da sua incompetência como pais.

De uma sociedade que dá primazia aos escândalos financeiros, a comentários de bancada, a trivialidades que nada acrescentam ao nosso crescimento enquanto seres humanos e em que se secundariza o que supostamente é o nosso futuro através das crianças que deveríamos proteger, amar e preparar para nos substituírem, não é de esperar outra coisa.

Todos sem excepção têm culpas: desde logo a mãe e o pai que não cuidaram; os serviços sociais tão rápidos e zelosos em algumas situações e tão ao relanti em outras; a autoridade, que deveria estar apetrechada com as tais competências, tão alardeadas, mas que a prática demonstra que na maioria dos locais, se resume a um qualquer funcionário de serviço, num qualquer local de expediente e sem quaisquer qualificações para determinar o estado mental da pessoa a ser ouvida; e por fim, o hospital onde a mãe terá levado as crianças nos dias anteriores, numa espécie de grito de alerta…

Ao invés de sortear carros aos cidadãos, ou certificados de aforro, ou a criação desnecessária de cargos que nada acrescentam à nossa evolução enquanto país, coloquem os profissionais ligados à saúde mental, próximos das populações, para que se possa corrigir a montante aquilo que se tornará inevitavelmente num drama social a jusante, com os incontestáveis custos económicos e sociais.
Nas escolas, nos hospitais, PSP, GNR, de forma mais visível e onde facilmente e sem burocracias possa ser pedida ajuda e orientação.
Existem excelentes profissionais neste país, muitos dos quais e executar tarefas que nada tem a ver com a sua formação. Criem-se equipas multidisciplinares (três seriam suficientes, norte, centro e sul), com autonomia de deslocação e autoridade nos casos que envolvem crianças e em coordenação com as instituições locais de protecção.
Afinal, por este país fora andam tantos “profissionais” a ganhar ao quilómetro por tarefas tão desnecessárias quanto improdutivas!


Já se percebeu que, caso a caso, para haver uma solução é necessário esperar pela autoridade, pela justiça e pelos serviços sociais, o que é imenso tempo para quem está, por vezes, muitas vezes, desorientado e em grande desespero.

2 comentários:

  1. O diagnóstico está correcto. Mas quem é que não o conhece já? desgraçadamente, infelizmente, a tragédia com crianças irá repetir-se.O nosso laxismo, a nossa indiferença, faz parte do nosso adn. Portanto, a Fátima tem razão: todos falhamos!

    ResponderEliminar
  2. Mas o nosso adn não é todo igual. É preciso agir urgentemente para pelo menos minimizar o máximo possivel casos destes. É dever de todos e somos todos que elegemos o governo, que deve defender-nos, portanto é preciso que o governo tome medidas drásticas e urgentes para evitar casos como este. Como mãe falo e não consigo entender casos destes, é dificil aceitar que um pai faça mal a um filho, mas uma mãe???? Quem o carregou no ventre, quem o deu á luz, quem o alimentou, quem ficou noites sem dormir a seu lado quando estava doente ou simplesmente com uma birra, como pode uma mãe cometer tal crime? Só pode estar muito doente mentalmente, é a única situação que consigo encaixar, por isso é preciso ajuda para estas pessoas para o bem das nossas crianças que como bem se disse foram as únicas inocentes a pagar tão cara factura.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.