domingo, 6 de março de 2016

A geringonça

A ‘geringonça’ – de todos os amigos da onça, e máquina de ‘má’ concepção para gente que pensa que só as suas regras de jogo é que são válidas -, completou 100 dias, após incansável ultra maratona contra tudo e contra os poderosos do sistema ‘daqui e de além fronteiras’.
Mesmo assim, todos os parafusos da dita máquina, chamada depreciativamente de ‘geringonça’, continuam muito bem apertados, não a deixando desajustar ou sair dos eixos.
Talvez a sua cilindrada não dê para grandes cavalarias, e apesar dos oposicionistas possuírem possantes maquinões de alta cilindrada, com António Costa ao leme, os construtores que engendraram a ‘geringonça’, não se desviando da rota por eles traçada, estamos certos, que rumarão até à vitória, sem grandes convulsões sociais.
Que assim seja.

José Amaral

2 comentários:

  1. A geringonça é um termo depreciativo, que se refere a uma maquinária mal concebida, e é uma referência na área do ridículo. Nomear por geringonça um acordo político legal que funciona na área da governação do país é duma baixeza moral que não dignifica quem utiliza o termo, ao mesmo tempo que prejudica a reputação do país. A cegueira partidária, que não respeita nada nem ninguém,insiste neste miserável apelido, e nós, os que temos a noção da ofensa, não devíamos entrar nesse campo escrevendo opiniões ou artigos onde tal palavra, tão a despropósito, entrasse. Um abraço lusitano para o José Amaral, que muito considero.

    ResponderEliminar
  2. O problema de António Costa, senhor Amaral, é que os predadores da riqueza nacional possuem cá dentro serventuários smepre disponíveis para fazer mal ao país, desde que paguem bem, como é demonstrado no mais recente "caso"...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.