segunda-feira, 7 de março de 2016

A PIROTECNIA QUE AS CLAQUES FAZEM ENTRAR NOS ESTÁDIOS DE FUTEBOL

A pirotecnica que as claques fazem entrar nos estádios de futebol
O assunto que vos trago hoje, é de grande interesse e muito importante e deve merecer alguma preocupação e reflexão e que devia ser devidamente revisto e resolvido uma vez por todas e já há algum tempo, que se imponha a resolução deste problema em especial por parte das autoridades policiais e dos dirigentes desportivos, e que como tal, põe em perigo, espectadores e jogadores, que são as entradas nos recintos desportivos, sem o devido controlo, de material de pirotecnia, por parte das claques, algumas elas com o devido apõe dos dirigentes dos clubes. Mas afinal que controlos têm as autoridades policias, nestes casos?


Praticamente assiste-se em quase todos os jogos de futebol, da I Liga Portuguesa de Futebol Profissional, em especial àqueles com maior projecção mediática e geralmente todos aqueles no qual se defrontam clubes rivais, ser constante assistirmos ao festival das incontáveis tochas, petardos e potes de fumos, que são deflagrados em plenos estádios e por norma com os jogos a decorrer e sempre, pois deve ser por uma questão táctica de autoria dos chamados "doentes e fanáticos" das claques e espectadores e acontecem sempre por perto das balizas defendidas pelo último jogador que é obviamente o(s) guarda-redes(s). Claro, que este tipo de táctica, suja afirmo eu, em nada contribui em abono do chamado "jogo limpo" e para a verdade desportiva, que deve reinar, e que é provocada, por todos aqueles espectadores que vão aos estádios no propósito de somente, para causarem distúrbios e desacatos e que não estão nada interessados em poderem desfrutarem de um espectáculo, desportivo, neste caso concreto chamado futebol.



Táctica essa que é alheia às dos treinadores, e que decerto, especialmente estes não estão nada interessados que aconteçam cenas como se assiste, para bem do próprio espectáculo e para bem dos seus atletas.




Para quê então, tanto aparato com controlos feitos por seguranças aos espectadores e respectivas claques, nas entradas dos estádios antes da realização dos jogos de futebol, se o mesmo material de pirotecnia continua sistematicamente a entrar nos recintos desportivos infelizmente e a fazerem parte do mesmo espectáculo, como de alguma festa se tratasse, como nos arraias, em que há fogo de artificio aquando comemoramos e são feitos, aquando das festas nas nossas vilas e aldeias e em nome de algum santo padroeiro.



Às entidades policiais e dirigentes desportivos, há que analisar e resolver este problema uma vez por todas, para bem, em especial nem que seja por todos aqueles espectadores mais pacatos e dos próprios atletas.



(Texto-opinião, publicado na edição online, secção "Escrevem os Leitores" do Jornal RECORD   de 7 de Março de 2016)
(Texto-opinião, publicado na edição Nrº. 45843 do Diário de Notícias da Madeira de 9 de    Março de 2016)
(Texto-opinião, publicado na edição do Jornal de Notícias de 25 de Março de 2016)

MÁRIO DA SILVA JESUS

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.