quinta-feira, 10 de março de 2016

ATÉ NUNCA MAIS!

LIVRES DELE, FINALMENTE!

Escrevente de “roteiros”
Esbanjador de dinheiros
Não impinge mais “barretes”
Foi tal a banalidade
Que nem teve utilidade
Pendurada nas retretes.
No seu modo acanhado
Mas de enorme presunção
Este dito  “magistrado”
Mesmo estando calado
Causava tal desagrado
Que brotava indignação.
E é algo  bem estranho
Que com tão mau desempenho
Quisesse boa imagem
E dobrar banalidades
Dourar tais inanidades
Foi pobre fotomontagem.

Amândio G. Martins\


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.