terça-feira, 8 de março de 2016

MAÇONARIA



Eu não sei o que é a maçonaria, nem ao que se propõe. Sei do que ouço dizer e de ler, e passadas décadas de muito ouvir e muito ler, não cheguei a conclusões concludentes, nem sobre este tema em particular nem sobre outros igualmente estimulantes.
No meu poupado saber, tenho arquivada a maçonaria na estante da minha biblioteca cerebral, numa gaveta com a etiqueta de “agremiações secretas”, clube de acesso reservado a portadores de cartão.
Pouco mais sei que se trata de indivíduos que se encontram regularmente em “templos”, sob a discrição de nomes simbólicos e que desenvolvem trabalhos de grande profundidade e interesse comum.
Interesse comum para os seus associados ou para o geral, diferença que pode ser da maior relevância, é algo que não posso concluir, desconhecimento meu que inibe uma opinião desapaixonada, se bem não se possa negar que trabalhar para o bem comum universal é mais humano, mas talvez menos proveitoso, do que trabalhar para o interesse próprio.
Tudo quanto é clube privado, de acesso com vistos gold, cheira a mofo e humidades várias, razão pela qual sou céptico.
Muito se publica sobre os rituais, os cânones, e do que vi em litografias parece bonito: quem não gosta de um belo atavio, colorido, carregado de colares de lantejoulas faiscantes a realçarem os perfis! O Homem é um amante de teatralidades.
Toda esta conversa, fervilha curiosidades nos desataviados mortais que o momento mais exclusivo a que têm acesso por cartão, é o seu encontro diário, nos inícios e fins de dia, com os seus pares na carruagem apertada da linha de Sintra, ou no metro do Porto, ou noutra localidade qualquer com transportes públicos.
Sobre a essência e o miolo doutrinário do Grande Oriente - a ideia romântica de um Grande Arquitecto do Universo, provedor da protecção e do cuidado aos desvalidos, um ser-conceito de grande abstração, colhe aderentes sem conta e a história tem bons exemplos disso - é uma novela que atrai a curiosidade dos crédulos, e sendo um membro honorário dessa categoria sou um aderente incondicional.
Nomeiem um mortal que não gostaria de se ver adoptado, dirigido, governando, por um grupo de sábios, que o leve ao colo pela vida e depois dela, sem ter que sofrer nos costados as tropelias e as preocupações de ser dono da suas decisões, sem necessidade de fazer opções e escolhas erradas, libertando-se do sofrimento e das imperfeições que o enformam desde a nascença?
Dizem que a maçonaria defende, e exercita estes ideais: uma sociedade nivelada pelos ensinamentos da igualdade, da liberdade, da fraternidade, governada por um comité central de Mestres sapientíssimos. A ser verdade a informação que passa, então é uma organização de grandes méritos, de elevação de valores, digna de ver os seus membros em posições de relevo: em todas as áreas, as politicas, as económicas e outras menores.
Assim sendo, entreguemos em boas mãos de luva branca as rédeas da liderança e do poder, a estes operários de avental imaculado, e que não se abatam colunas, antes pelo contrário, que floresçam os maçons na edificação dos capitéis do Mundo Novo.
Tudo o que se pode dizer a seguir, são maledicências e remordimentos invejosos, tão típicos da mesquinhez endémica do povo, que estando num ab initio eterno, em marinar vegetativo, por vezes abusa e alucina com as doses de opiáceos, e gomita a sua bílis em cima de quem lhe faz bem.
Demos as boas-vindas aos pedreiros-livres na sua marcha inexorável pelo poder, desbravadores do caminho, que a todos elevará até à Sociedade perfeita do futuro, onde viveremos na ausência do Mal, na protecção de quem pensa e age por nós, bem-aventurados a gozar um dolce far niente enquanto os sábios, enclausurados nos seus templos atafulhados de bricabraque e ícones, pensam o peso dos desígnios do mundo.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.