terça-feira, 8 de março de 2016

Será apenas humor negro ou é a veracidade dos factos?


Tantas juras de amor inundam o DIA DA MULHER;
E depois de tal fulgor tudo volta a um dia qualquer.
Já não falo em namoradas, viçosas e mui amadas;
Logo andam às cabeçadas com entremeios de bofetadas.
O filho bateu na mãe, o pai, na mesma, também;
Afinal, em que ficamos, somos gente ou inumanos?
E a avozinha, Senhor, por que lhe dais tanta dor?
O neto, grande estupor, aprendeu com o progenitor!
E quantas mulheres se vão, e quantas delas se foram;
Com juras de amor em vão, já lá estão, as mataram.
José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.