domingo, 3 de abril de 2016

MÁFIAS

                    FILHOS E ENTEADOS DO “COMUNISMO” SOVIÉTICO
Os filhos dilectos da URSS, que se apoderaram rapidamente de todos os centros de lucro do país, sobretudo depois de Yeltsin, vão caindo como tordos à medida que as delícias do poder que o dinheiro confere, ilegítimamente  adquirido, os faz esquecer a obediência ao “paizinho”, o chefe do bando, o sinistro Putin.
O último a levar o “tratamento” em que o antigo alto quadro do KGB é catedrático chama-se Mikhail Yurievich Lesin e foi encontrado sem vida num hotel de Washington com o corpo mais amassado que o chapéu de um pobre.
Este Lesin, que chefiou a propaganda que impingiu aos russos um Putin imaculado, é apenas um dos muitos oligarcas que esbanjam pelo mundo os bens roubados ao povo – os enteados -  e conhecem por dentro os podres do regime que lhes permitiu, com o actual presidente como chefe de quadrilha, transferir para o estrangeiro somas fabulosas.
Como a crise causada pelas baixas cotações do petróleo, conjugada com as sanções internacionais, levaram o autocrata Putin a colocar entraves aos biliões roubados; e  - como quem nunca comeu melado, quando come se lambuza - já demasiado viciados no novo estilo de vida, com mansões, barcos e bólides de luxo e os filhos nas mais elitistas universidades do mundo, estes “patriotas” russos não só não estão para obedecer como ainda dão entrevistas em que deixam escapar “inconveniências” que descobrem a careca do padrinho, a coisa está feia para eles.
No caso vertente, como as autoridades russas se apressaram a comunicar que o seu compatriota havia falecido de ataque cardíaco, e a medicina legal veio e revelar outra coisa bem distinta, não foi preciso um Sherlock Holmes para perceber o que realmente aconteceu…


                                           Amândio G. Martins

1 comentário:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.