quinta-feira, 12 de maio de 2016

A FESTA DAS CRUZES E AS CRUZES EM FESTA

Portugal, país católico, tem ao longo de nove séculos sabido exteriorizar das mais diversas formas a sua fé como é exemplo a tradicional FESTA DAS CRUZES em Barcelos, romaria que arrastou multidões nestes últimos dias. O nome desta festa fez-me lembrar a COLINA DAS CRUZES, na Lituânia, que visitei há meia dúzia de anos em viagem de férias aos países Bálticos. Um pouco como S. Tomé, também gosto de ver com os próprios olhos não me deixando levar por aquilo que se ouviu, por exemplo, nas campanhas de dinamização cultural do MFA há precisamente 42 anos, autênticas lavagens ao cérebro. E assim, lá fui conhecer um conjunto de países que estiveram debaixo do domínio soviético, resultado de acordos com a Alemanha Nazi. Quis saber pelos próprios como tinha sido viver num regime comunista. Confessando ser impossível sintetizar os horrores relatados, deixo aqui apenas um pequeno exemplo no que diz respeito à perseguição religiosa. Naquela colina situada perto da cidade de Šiauliai, centro de peregrinação católica, o regime comunista durante a ocupação, destruiu por diversas vezes o local, queimando as cruzes de madeira e retirando as outras o que obrigava a população, mesmo com risco da própria vida, a ir lá colocar novos símbolos da sua fé. Como a Lituânia na época da minha visita já andava em negociações para a adesão ao euro, atrevi-me a lembrar-lhes que nem tudo iria ser um mar de rosas ao que me respondiam que nada podia ser pior do que tinham passado durante a ocupação. A alegria no rosto daquela gente era tão grande que até me pareceu ouvir a bela canção de Paulo de Carvalho "vão aprender como se ganha uma bandeira/vão saber o que custou a liberdade". Felizmente que com a queda do império soviético, hoje, e com todo o respeito mas em festa, é possível visitar aquele local que para mim representa um monumento à liberdade. Ao simpático povo lituano, por aquilo me ensinaram e por aquilo que passaram, bem merecem ser felizes. Jorge Morais
 
Publicada no Jornal METRO 12.05.2016

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.