terça-feira, 10 de maio de 2016

BRINQUEDOS

MUSEU DO BRINQUEDO PORTUGUÊS
Transcrevo da “Revista Limiana”, da Casa do Concelho de Ponte de Lima em Lisboa, o pequeno texto e poema de Maria Júlia C. V. de Barros dedicados ao Museu do Brinquedo Português em Ponte de Lima.
BRINQUEDOS
…Levo o coração, a memória e a saudade e pelas mãos os netos e a criança que sempre serei, em cantigas de roda e onamatopaicas de rimas e risos…Tenho a mania das cores e nunca o meu dia acorda em fundo preto e branco. Sou criança!... Às vezes amanheço em azul céu e outras verde-mar e quando o sol e a felicidade querem, nem sei de que cor sou porque tenho o arco-íris inteirinho a beber na palma das minhas mãos. Sou criança!... Mas quando amanheço cor-de-rosa amanheço ainda mais criança e sou cor de livro, aventura e sonho, cor de boneca, comboio e carrinho, sou cor de brinquedo, cor de brincar. E aí pego no coração, na memória e nos netos e em cantigas de roda e onomatopaicas de rimas e risos, vou ao passado rebuscar lembranças e saudades felizes de brincadeiras prazerosas…
Bonecas mimosas carrinhos de lata
Comboios que apitam em fumos de prata
Baldinhos de praia tão cheios de mar
Onde o coração se deita a boiar
Cavalos de pau estrunfes e anões
A Branca de Neve e outras emoções
Soldados de chumbo ao som do tambor
Que conquistam o mundo em lutas de amor
Com flautas e rocas a marcar compasso
Recolho memórias por onde quer que passo
Tão viva é a lembrança de antigos folguedos
Que volto a criança cheiinha de medos
De caír dos sonhos e quebrar os brinquedos.


Amândio G. Martins

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.