quinta-feira, 26 de maio de 2016

LIGA DOS AMIGOS DOS MONUMENTOS RELIGIOSOS




Adoro mesquitas, e igrejas. Os minaretes e os torreões tiram-me do sério, elevam-me. Diga-se já para que não se encontre motivo retorcido que também adoro uma bela sinagoga. Pelo-me por qualquer tipo e tamanho de templo, caiba num viés ou ocupe todo um amplo quarteirão, se bem sendo maiores são mais imponentes, e nós não estamos aqui para gostar de coisas pequenas.
Apesar de ser ateu pela impossibilidade intelectual de estar disponível para uma epifania religiosa, mandasse e corria com todos os moradores, mesmo os mais renitentes e difíceis que insistem em morar uma vida inteira no mesmo sítio e não dar lugar a outros, para construir belas e majestosas e ricas mesquitas e catedrais e casas de ofícios (espirituais entenda-se). Enchia a cidade, a cidade de deus, mesmo que ficasse sem homens para assistirem às liturgias que são tão bonitas e purificadoras.
Quem não pensa assim não tem visão, e quem não tem visão não vê, e quem não vê não pode guiar ninguém.
O mal do mundo está nos que não gostam das mesquitas, os que desdenham as igrejas, os que viram a cara a uma sinagoga. Se gostassem compreenderiam a falta que nos fazem, pelos seus exemplos de tolerância e inclusão.

Já agora, se eu me chamo Luis e sou único, porque que razão precisa deus de tantos nomes? E de tanta casa? Quando ele habita não é no nosso coração?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.