segunda-feira, 2 de maio de 2016

Minha mãe

Vento, 
diz à minha mãe
que eu tenho saudades,
daquele tempo 
em que corria, 
a cada instante,
para o seu regaço de amor... 

Diz-lhe, 
como tem sido 
todo este tempo sem ela. 

Que penso nela,
como quem respira. 

Que há dias,
em que é difícil a  minha vida sozinha… 

Traz-me o seu cheiro,
ou a sua voz
e ficarei feliz! 

Diz-lhe vento,
que a amo
e a sonhar com o seu colo é que resisto…

6 comentários:

  1. Perante a porcaria que aqui às vezes se nos atravessa no caminho,da forma mais ignóbil,os poemas da Fátima, como os da Graça, acabam por constituír um bálsamo para não desistir...

    ResponderEliminar
  2. Eu não tenho vistas largas/nem grande sabedoria/mas dão-me as horas amargas/lições de filosofia. António Aleixo

    E já agora, muito obrigada pelo elogio!
    Fique bem.

    ResponderEliminar
  3. Acabo do levar para mostrar aos meus amigos. Posso colocar devidamente identificado no meu facebook?

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.