terça-feira, 3 de maio de 2016

O 1º de Maio - dois em um

Este ano o 1º de Maio foi festejado em duas vertentes distintas, mas convergentes, no que respeita à concepção da Humanidade e à regulação do mundo laboral.
Falamos, pois, do Dia da Mãe e do Dia do Trabalhador, em que o dia e o calendário juntaram em um só.
Assim, por todos os cantos do mundo, as mães foram acarinhadas pelos seus rebentos, os quais, habitando no ventre materno durante cerca de nove meses serão sempre seguidos e amparados durante a vida, até ao fim terreno daquelas que ao mundo lançaram. O cordão umbilical os ungirá para lá da matéria.
O Dia do Trabalhador é um marco incontornável daquele que vende o suor do seu trabalho, pondo nele todo o seu empenho e dedicação. Isto é, trabalha por conta e para a conta de outrem, sem ser escravo de ninguém.
Claro que detractores tecem os mais soezes comentários a tais efemérides e manifestações de rua, porque, muitos deles, nunca sentiram o jugo da prepotência que infligem aos seus subordinados.
Resumindo: bendita seja a Mãe que carrega no ventre o fruto sagrado da perpetuação da Vida; e bendito seja o trabalhador que com o seu trabalho transforma o mundo para conseguir o pão-nosso de cada dia.
Abençoados sejam.

José Amaral


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.