quarta-feira, 4 de maio de 2016

Público QUA 4 MAI 2016

Refugiados, já não é a primeira vez

Como filho de uma refugiada austríaca, que em 1938 teve de fugir de Viena, por Hitler — um austríaco aos comandos da Alemanha — ter tudo roubado/desfeito, entristece, hoje, estar a ver que repetimos tudo, como se nunca tivesse antes acontecido.
Agora, chegam refugiados já não da Europa para a Europa, mas da Síria desfeita, e não só, para a Europa e nada entendemos. E queremos que não entrem. “Fora com eles.”
Estamos totalmente entorpecidos, nada aprendemos, nada mesmo com a última guerra mundial, quando Hitler queimou aqui na Europa seis milhões de judeus e mais uns ciganos, e destruiu famílias inteiras, projectos de vida, vidas atiradas à morte!
Hoje, na Síria e na Líbia, muito por culpa nossa, ou no Afeganistão, matam pessoas com menos respeito com que o fazem a outros animais. Desfazem-lhes os poucos “haveres” que possam ter e ainda são roubados, endividando-se a saldar num futuro de “sonho”, por traficantes sem vergonha, que lhes prometem porto seguro.
E, quando sem nada — uma vez que fazer um saco para fugir pode não dar tempo, talvez só nos filmes — chegam à Europa, para ficarem vivos, fazemos de conta que nada vemos. (...) Quando Hitler provocou situações análogas, houve mais solidariedade por quase toda a Europa e até um nosso compatriota em Bordéus estragou a vida — Aristides de Sousa Mendes — para ajudar, por ser humano dentro da desumanidade que “reinava”, ajudando a chegar a porto seguro os que conseguiram lá chegar, com a roupa do corpo.
Ao escrever estas linhas, arrepia entender que a História se repete, que fazemos sempre o mesmo (...).
E olhando para trás a sensação de que a última guerra mundial nada adiantou no mínimo arrepia. (...)

Augusto Küttner de Magalhães, Porto

6 comentários:

  1. E o mais vergonhoso é sabermos que, mesmo ao nosso lado, até com aspecto de gente, há demasiadas criaturas que olham aqueles infelizes como potenciais terroristas, quando mais não são do que vítimas do terrorismo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, as pessoas deixaram de pensar, e quando alguém diz refugiado o cérebro automaticamente "traduz" para Terrorista!!!!!!

      Eliminar
  2. Nada mais acrescento, apenas dizer que para além dos milhões de judeus, não foram apenas mais os ciganos que Hitler assassinou...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que não , mas potencialmente foram judeus.....e todos que o não seguissem...e tantos e tantas o seguiram.......mas matou ...... mais raçados.....

      Eliminar
  3. Foram também comunistas, socialistas, sindicalistas e católicos progressistas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, claro que sim, todos que não fossem arianos "puros", mas a maior percentagem, indubitavelmente foi de judeus, e havia um propósito nisso......

      ( e Hitler além de ser austríaco...poderia ter tido raízes judaicas....)

      Eliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.