quinta-feira, 19 de maio de 2016

Menos educação, mais corrupção




Olhando o “momento”, parece demasiado fácil intuir-se que os países mais educados — instrução e não só — são menos corruptos do que os restantes. Uma população educada, instruída, culta mais dificilmente acata “poderosos” muito corruptos — e estes sabem-no — e o “todo” não se quer deixar envolver em incessantes esquemas que envolvem tudo e todos e criam a degradação total do Estado, do país e da maioria da sua população.

A América do Sul e Central, grande parte senão todo o continente africano, bastantes países asiáticos, onde os níveis gerais de instrução/cultura são muito baixos, estão a “rebentar” de corrupção e corruptos.

Na Europa, havendo evidentemente corrupção — qualquer humano a dado ponto se vende! -, no Sul e no Leste temos mais casos que a norte; logo, não é um continente incorrupto, mas menos corrupto por “regiões” do que muitas outras partes do planeta! (...)

Nos países mais corruptos a nível global, existem — intencionalmente — parâmetros muito baixos de instrução/ cultura, e só umas minorias muito minoritárias acedem a padrões elevados, por norma fora dos seus países.

E são quem controla, domina tudo e todos e deixa as banalidades de “formatação ínfima e toda igual” aos “outros”. (...) E, claro, se uns quantos, poucos, se apoderam “indevidamente “ dos valores de todos, estes não têm como “saber ter” saúde, educação, cultura, bem-estar, mínimos de qualidade de vida.

Assim, a corrupção e a implícita não-educação “abundam” nos países “politicamente centralizadores”, ditos socialistas, bem como nos liberais de direitas, onde as elites se autovalorizam (...). A Internet, as novas formas de informação, as muitas investigações sobre muitos casos de corrupção local e mundial não estão a dar o resultado esperado e continua-se a falar muito e nada ou muito pouco muda.

Talvez seja tempo de parar para pensar como alterar este estado de desatino em que nos encontramos(...).

Público, 19 -5-2016
Augusto Küttner de Magalhães, Porto

5 comentários:

  1. O único país "dito socialista" ou socialista que existe no mundo é Cuba. E que se conste, pouca ou nenhuma corrupção lá existe e o nível de instrução/cultura é dos mais altos do mundo. Tudo isto, evidentemente, independentemente de simpatizarmos/concordarmos ou não com o respectivo sistema. Quanto ao resto, concordo com o Sr. Augusto. Quanto menos informado e mais alienado for um povo, mais fácil é explorá-lo. A corrupção é uma das formas. Veja o destaque avassalador que os media ( dos donos disto tudo) dão ao futebol...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. País socialista Cuba!!!!! Mas não haverá corupçao a nivel Família Castro???????


      Eliminar
  2. Apenas a família Castro? E o resto da máquina? Eleições livres para que venha alguém e ponha a descoberto ao mundo as corrupções, a podridão, o compadrio, as prisões políticas, etc que toda a gente, com a excepção dos defensores, sabe que existe?

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.