quarta-feira, 25 de maio de 2016


Tempos de desenlace

Meu corpo foi cais sereno
Onde teu barco atracou
Como farol no mar pleno
Todo o céu iluminou.

Teu amor foi refrigério
Num vulcão embravecido
Havia nele um mistério
Que nunca fora sentido

O teu ar, quase infantil
Era um lago abençoado
As promessas eram mil
Meu ser ficou encantado!

Partiste. Já nada interessa
Nem sequer ficou a esp`rança
A vida corre depressa
Sonhar em vão, também cansa!


Joaquim Carreira Tapadinhas - Montijo

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.