domingo, 26 de junho de 2016

DEVÍAMOS DAR MAIS APREÇO ÀS MODALIDADES POBRES QUE NOS DÃO TÍTULOS


Devíamos dar mais apreço às modalidades pobres que nos dão títulos
Efectivamente mais uma vez ficou e está devidamente comprovado, e registe-se este facto, que infelizmente o desporto em Portugal, está concentrado somente no futebol (sendo igualmente o autor destas linhas, que confessa igualmente que é também ele conivente com tal situação). Mas na verdade é o futebol, aquela grande indústria e fábrica de gerar muitos milhões de euros, dando de comer a muitos "galifões", que rodeiam e giram à volta desta modalidade, desde dirigentes, jogadores empresários, etc. etc.

Ontem os portugueses (alguns deles claro, que nem todos gostam de futebol, e há que admitir e respeitar claro esta realidade), deitaram-se mais bem-dispostos, com a passagem dos "Lusíadas", (passo a baptiza-los assim, para os distinguir dos célebres magriços, infantes, e tantos outros nomes que tiveram quando Portugal esteve presente em fases finais de campeonatos do Mundo e da Europa), aos quartos-de-final do Euro-França 2016, após terem vencido neste IV Croácia-Portugal, a sua congénere croata por 1-0, com um golo mágico de Ricardo Quaresma, no prolongamento e ao minuto 117, para delírio daqueles mais "apaixonados" pela modalidade, mas não devemos menosprezar a boa replica que a selecção dos Balcãs deu, dando nalguns momentos algumas dores de cabeça à nossa selecção. Ficou provado, assim, é a minha opinião que vale o que vale, que ficou pelo caminho deste Euro-França 2016, uma belíssima equipa composta por grandes jogadores. 


Hoje acordamos, inundados com as primeiras páginas dos nossos jornais desportivos e não só desportivos a celebrarem e encherem as respectivas páginas com o dito feito dos "Lusíadas", e respectiva passagem da selecção portuguesa sob o comando do Engº. Fernando Santos, à fase seguinte, e mais um patamar foi alcançado, na longa caminhada que é aquela, do sonho de poderem chegar à final de Paris deste Euro-França 2016, no próximo dia 10 de Julho, ficando a próxima meta, para o próximo dia 30 de Junho no Estádio Velodrome, em Marselha, para XI encontro frente à selecção da Polónia, (por curiosidade e uma nota adicional, foram já efectuados 10 jogos com 4 vitórias para Portugal 3 empates e 3 derrotas e um saldo de golos de 13-9).


Já escrevi alguma coisa sobre o feito de ontem, para já dos nossos "futeboleiro" , da selecção de Portugal e a sua participação neste Euro.

Mas o que me leva a escrever, é o facto, e a propósito do feito do canoísta Fernando Pimenta de Ponte de Lima, se ter sagrado campeão da Europa em K1 1000, e pela primeira vez na carreira, em Moscovo na Rússia, e tendo conquistado para Portugal a primeira medalha na competição. Um feito notável do canoísta português quando faltam dois meses para os Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro, Brasil, e, infelizmente toda a nossa comunicação social, dá algum relevo, é verdade a este acontecimento notável para o canoísta Fernando Pimenta e para Portugal, mas quase uma notícia, que a maioria da comunicação social, dá muito escondida, pequena, (aliás como é hábito, quando se tratam de modalidades chamadas "pobres"), com pouca euforia e quase com medo, de darem o devido relevo que merecem estes atletas e estas modalidades e darem a conhecer aos portugueses que temos grandes talentos noutras modalidades, que sabem honram o nome de Portugal…modalidades e os atletas que sobrevivem da carolice e completo amadorismo. 

Porque não se falar mais neles e nos seus feitos de forma a incentiva-los para voos mais altos, para que a nossa bandeira possa subir os mastros mais altos, em qualquer das modalidades e se ouça mais vezes o nosso hino, símbolo de uma nação e de um povo.

(Texto-opinião, publicado na edição online, secção "Escrevem os Leitores" do Jornal  RECORD de 26 de Junho de 2016)

MÁRIO DA SILVA JESUS

2 comentários:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.