domingo, 12 de junho de 2016

Em memória do Mestre Jornalista, Paquete de Oliveira


 Presto a minha sentida e  humílima homenagem ao Mestre Jornalista, asseado na escrita e na forma progressiva de alinhar as suas ideias enquanto Provedor do PÚBLICO. Tive o privilégio de poder trocar algumas palavras com o brilhante Paquete de Oliveira, num Encontro de Leitores que escrevem textos de opinião para os jornais. Calmo, ponderado, sensato e cordial. A sua presença honrou-nos e a sua intervenção marcou, quão importante é o dever/direito de cidadania, espelhado na intervenção directa e escrita para os média. Senti-o combalido e perguntei: ‘Está bem de saúde?’ – Não bem. Augurei-lhe bastas intervenções como Provedor, desejando-lhe que fossem fecundas e construtivas. Nunca perdi a página, sempre bem escrita do Mestre e amigo dos leitores –Paquete de Oliveira, no seu PÚBLICO.
   A ti, de Oliveira, Paquete/ também me ensinas-te/ a escrever/ e como ser,/ a crescer./ Dou-te um merecido vermelho cravo,/ as palavras, elevas-te./ Mereces um grato – bravo!
   Não me morres-te/ só fisicamente nos desapareceste...

                                             artigo de opinião e de desolação de Vítor Colaço Santos 
                                         

1 comentário:

  1. Obrigado ao José Amaral por ter repescado esta merecida homenagem de Vitor Santos a Paquete de Oliveira. O amigo Vitor tem andado arredado do blogue, mas continua entre nós, pois encontramo-lo com frequência nos jornais, em especial no CM.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.