domingo, 5 de junho de 2016

EXPRESSO 04. JUNHO.2016



Leque salarial demasiado aberto aos gestores de topo

Evidentemente que têm – sempre - que haver diferenças salariais entre o topo e a base dos colaboradores de todas e quaisquer instituições, públicas ou privadas.

Evidentemente que somos todos diferentes e ainda bem. Nascemos diferentes em sexo, cor de olhos, cor da pele, tamanho, tudo nos faz diferentes. Mas somos o que de melhor há na Terra, Pessoas.

E, numa qualquer hierarquia- algo que tem sempre que existir apesar de muitos fazerem tudo para quem tal não aconteça -têm que haver forçosamente diferenças, de mando e salariais, não deve haver medo de “chamar os bois pelos nomes”!
http://images-cdn.impresa.pt/expresso/2016-06-03-PAG001_2275_v5.jpg/w172h230/mw-172
E o topo tem, evidentemente, que ser mais bem remunerado que a base. Ninguém disto com algum bom senso, irá duvidar. Claro que convém que no topo estejam Pessoas capazes, competentes e que lá tenham chegado por mérito e não por cunha, até para não estragarem instituições, como muito nos acontece.

Porém as diferenças – salariais - devem ser “diferentes” mas nunca exageradas. E não deverá haver uma diferença tão grande, tão grande que pode roçar o “exagero” e até dar a sensação de injustiça social.

Claro que se pode alegar que havendo muitos desempregados, estes para terem emprego têm que se sujeitar. Claro que se pode alegar que sendo dono – patrão!- da “empresa” tudo se pode fazer.

Pode-se alegar o que bem a cada convier e apetecer. Mas, não deixa de ser algo desesperante confrontarem-se diferenças tão “diferentes”.

E no ano de 2015 cá, neste nosso País, em algumas empresas privadas – claro serão privadas, mas mesmo assim -  os Directores Executivos receberam mais 60 vezes que a maioria dos “seus” trabalhadores.

Convenhamos que é demasiado. Não se trata de modo algum de invejar o senhor/senhora que está no topo da pirâmide, mas antes sentir que há diferenças, mas que não podem ser tão, tão desproporcionadas. Talvez até 20 vezes, mais, já seja muito bom. E, o resto se for distribuído mesmo que muito pouco, por toda a parte descendente da pirâmide talvez soe melhor. Talvez seja mais adequado, e essencialmente é muito mais humano. E ético. E moral!

Não parece justo numa mesma organização, haver diferenças de 60 vezes mais para um ou dois e 60 vezes menos para a maioria.  Será por certo demasiado diferente, demasiado desmotivante.

E talvez devêssemos todos, nisto pensar. E essencialmente os próprios, que recebem 60 vezes mais! Em vez de se andar aos berros a exigir 35 horas de trabalho semana e ficar nas 40 horas, ou passar àquelas, mas com mais qualidade de cada um, e no tempo de trabalho “fazer só trabalho” e nada mais que trabalho. Logo, mais reenumeração e claro mais e melhor trabalho.

Augusto Küttner


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.