terça-feira, 21 de junho de 2016

Fomos assaltados!

Em outros tempos, quem proferisse ‘fomos assaltados!’, significava que alguém foi roubado e o ladrão teria invadido o seu lugar habitacional ou laboral.
Hoje em dia e nesta última década muitos roubos partiram de dentro do próprio lugar onde os mesmos foram perpetrados.
Assim, a PT, o BPP, o BPN, o BES, o Banif, e, agora, a CGD, foram saqueados internamente, ficando os cofres vazios, e cheios de nada.
E o pior de tudo isto é que nenhum responsável está na cadeia e os seus bens arrestados, enquanto milhares e milhares de depositantes e milhões de contribuintes têm de pagar a factura por um serviço delituoso que não praticaram.
E os principais políticos que estão mergulhados em tal criminoso lamaçal querem criar – para que tudo fique na mesma – uma comissão de inquérito, a fim de ser apurada a verdade dos factos, acerca de tantos criminosos delitos.
Mas pensamos que é só para passar tempo, pois como sabemos e eles – com redobrado sofisma - também sabem que ‘quem se lixa sempre é o mexilhão’.
Afinal, que mais bancos nos restam para terminarem com a nossa perdição colectiva?

nota: texto a ser publicado no Jornal METRO de 23/6.

José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.