sábado, 18 de junho de 2016

NO DIA 18 DE JUNHO DE 2010, MORRE JOSÉ SARAMAGO


Resultado de imagem para josé saramago
No dia 18 de Junho de 2010, na localidade de Tias, Lanzarote, Espanha, morre José de Sousa Saramago, que foi escritor, argumentista, jornalista, dramaturgo, contista, romancista e poeta português. Nascido na localidade de Azinhaga, Golegã, no dia 16 de Novembro de 1922, José Saramago, conhecido pelo seu ateísmo e iberismo, foi membro do Partido Comunista Português, tendo sido director-adjunto do Diário de Notícias, juntamente com Luiz Francisco Rebello, Armindo Magalhães, Manuel da Fonseca e Urbano Tavares Rodrigues, foi em 1992, um dos fundadores da Frente Nacional para a Defesa da Cultura.
Foi galardoado com o Nobel da Literatura de 1998. Também ganhou, em 1995, o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa. José Saramago foi considerado o responsável pelo efectivo reconhecimento internacional da prosa da língua portuguesa. A 24 de Agosto de 1985, foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem Militar de Sant’lago da Espada e a 3 de Dezembro de 1998 foi elevado a Grande-Colar da mesma Ordem, uma honra reservada apenas a Chefes de Estado.
O seu livro Ensaio sobre a Cegueira, foi adaptado para o cinema e lançado em 2008, produzido no Brasil, Canadá, Japão e Uruguai, dirigido por Fernando Meirelles, realizador de O Frei Jardineiro e Cidade de Deus. Em 2010 o realizador português António Ferreira adapta um conto retirado do livro Objecto Quase, conto esse que viria dar nome ao filme Embargo, uma produção portuguesa em co-produção com o Brasil e Espanha.
É grande e vasta a sua obra literária. 

1 comentário:

  1. Como intelectual, José Saramago é o escritor português de maior prestígio do século XX, como atesta o Prémio Nobel da Literatura com que foi agraciado. Como pessoa, foi sempre um homem de difícil trato e pouco respeitoso para com as pessoas, fossem familiares, vizinhos ou colegas de profissão, como me foi atestado, por alguns amigos meus, que o conheceram de perto. Como o que vale é a obra, este homem é uma glória nacional.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.