quarta-feira, 15 de junho de 2016

Os três efes

Os três efes – Fado, Fátima e Futebol – continuam e continuarão a ser um trio civilizacional de continuados estudos e análises vivenciais.
Quem os ungiu, unindo-os numa espécie de união de factos, deveria ter uma estátua, ou estar sepultado, se já morreu, no Panteão Nacional.
Não sei se sim ou se não, porque também não sei quem foi o seu autor.
Mas, como estamos eufóricos em pleno Europeu de Futebol 2016 em França, vou divagar sobre o citado trio.
O Fado é e será sempre o nosso milenar fado, o qual, pela negativa, não passará de um mísero e habitual faduncho, metido nas entranhas profundas do nosso colectivo fadário.
Já Fátima é e será o altar onde gente peregrina no chão rasteja, mas que ‘quando a mostarda lhe chega ao nariz’ vai tudo pelos ares, sem pio nem benta que a sustenha.
O nosso Futebol é lindo, o nosso Futebol é arte, mas mesmo assim competindo, será difícil encimar o estandarte. E assim tem sido.
Resumindo, somos o que somos: uma amálgama milenar, em que os três efes vão continuar a ser um trio de contínuo e profundo estudo.

José Amaral


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.