domingo, 31 de julho de 2016

A ABOLIÇÃO DO ESTADO, DO CAPITALISMO E DA RELIGIÃO

A abolição do Estado, do capitalismo e da religião constituem condições indispensáveis à libertação do homem. As religiões constituem um conjunto de crendices e de superstições que se aproveitam do medo, da ignorância e das fraquezas das populações e que já não fazem sentido nos dias que correm. O Estado é a consagração do despotismo de uma minoria, de representantes eleitos ou não eleitos que nos retiram a individualidade e a soberania. Quem é Marcelo Rebelo de Sousa mais do que eu? Não somos ambos seres humanos, nascidos de pai e de mãe? O capitalismo é o mais odioso dos sistemas porque é subtil, porque ilude as pessoas: estas julgam que são livres, que pensam pela sua própria cabeça, quando são completamente manipuladas pelos mercados, pela corja financeira, pelos media, pela escola. Bakunine defende que a principal finalidade da revolução é o "aniquilamento do princípio da autoridade". E realmente só aniquilando a autoridade, que nos é inculcada desde tenra idade, só revoltando-nos contra as leis e ordens que nos são impostas e que nos tornam infelizes, estaremos aptos a construir um mundo novo. Além do mais, devemos revoltar-nos contra o dinheiro e contra o mercado. Segundo Aristóteles, o homem, para pensar, para sentir livremente, para se tornar um homem, deve ficar livre das preocupações da vida material.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.