terça-feira, 26 de julho de 2016

As Jornadas Mundiais da Juventude em Cracóvia


Começa esta terça-feira, 26 julho, a 16ª edição das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) “a reunião magna que a Igreja Católica dedica aos jovens de todo o mundo e que decorre este ano na cidade polaca de Cracóvia”. Hoje também, foi notícia que dois sequestradores mataram um padre numa igreja na Normandia, considerados "terroristas" e com fidelidade ao Daesh, segundo o presidente francês. Mais um atentado em França e na Europa, que nos deixa muito preocupados (todos os dias há alguma referência ao terrorismo e muitas vítimas…).
Em 1997, na 12ª edição das JMJ, eu tinha 25 anos e era uma das jovens portuguesas numa multidão de quase um milhão de pessoas em Paris para o encontro com o Papa João Paulo II. Inesquecível! Esse dia com o Papa em Longchamp, não sairá da memória daqueles que lá estiveram (hoje fui rever as fotos e o CD). Eu penso que é um privilégio poder participar desta experiência. O calor era intenso, como o foram a alegria e a felicidade que sentimos. Idos de Portugal ou da Austrália (as bandeiras coloriram o recinto), do Japão ou da América Latina, cada um ao seu jeito, compreendemos muito bem o que o Papa João Paulo II nos disse na homilia: “O homem procura a Deus. O jovem compreende no fundo de si mesmo que esta busca é a lei interior da sua existência” e que “Jesus mora particularmente nas vossas Paróquias, nas comunidades em que viveis”…
Foi sem dúvida, como disse o padre Eduardo Novo á jornalista do Público, uma oportunidade ímpar , sem paralelo, “para que cada um se descubra a si mesmo”.
Estávamos em Paris! Ouvimos orações e canções em francês, circulávamos livremente, sem medo algum, bem acolhidos pelos franceses. Paris era da Juventude (o símbolo das Jornadas era a Torre Eiffel transformada numa cruz amarela e branca)! Ocupávamos literalmente passeios, inundávamos ruas e avenidas,  descansávamos nos jardins, refrescámo-nos nas fontes e chafarizes da bela capital francesa! A palavra «terrorismo»  não fazia parte do nosso vocabulário  ... 
Rezo para que esta edição de JMJ seja tão feliz para estes quase 335 mil jovens como foi para mim!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.