quarta-feira, 20 de julho de 2016

É urgente um Mundo Novo


A democracia é o sistema político onde os oprimidos escolhem os opressores. Sinto-me um cão abandonado a latir pela noite dentro. O meu ladrar não encontra eco, porque ladrar é feio e incomodativo. Os que detêm o poder não percebem que o mundo mudou e tem de ser orientado por normas diferentes, mais humanas e menos competitivas. Os que construíram os alicerces, de pedra bruta, que suportam os belos edifícios, são tão merecedores de respeito, como os artistas que desenharam ou esculpiram as obras de arte que os enfeitam. Enquanto isso não for entendido, nada feito. O grande problema, que é raiz de todo este hediondo descalabro, é que os progenitores de opinião e os seus comentadores, sejam nacionais ou internacionais, na sua maioria, formulam todos os seus escritos assentes em valores desactualizados de progresso, especialmente os dos séculos XVIII e anteriores, onde a produção de riqueza, com a Revolução Industrial e as descobertas de novos mundos, melhorariam o bem-estar dos povos. Na verdade, houve saltos civilizacionais, que não são de menosprezar, mas que hoje já não são suficientes para servir de lastro social, pelas diferenças que em si comportam.
Hoje, no século XXI, a sociedade não pode estar dividida entre ricos e pobres. É urgente uma nova e diferente estrutura social. A sociedade deve estar ao serviço de todos e todos devem servi-la. Os cidadãos, com as suas diferenças e culturas, devem caminhar para o entendimento e não para que uns sejam os únicos possuidores da verdade e, por isso, deverem destruir os que estão errados. As diversas cartilhas, que servem a quase totalidade dos opinantes, estão ultrapassadas e é preciso escrever uma nova mais actualizada de acordo com aquele que virá a ser “UM ADMIRÁVEL MUNDO NOVO”
Não é fácil retirar privilégios a quem os tem, especialmente num mundo em que, a maioria deles, foram obtidos em negociatas, onde o mérito não teve entrada. As leis em vigor, na maioria dos casos, protegem os que as elaboraram, que pensam servir-se delas eternamente. Só que a história mostra-nos que, se hoje temos uma civilização de que muitos se orgulham, foi porque todas as anteriores civilizações tiveram um tempo limitado de existência. Há diversas formas de governar os povos, mas as actuais tem uma premissa igual; os poderosos, os donos dos diversos poderes, sejam políticos, económicos ou financeiros, desprezam aqueles que os suportam, com é possível deduzir pela forma como se comportam. Chegados a este estádio, é o momento de começar a construir UM ADMIRÁVEL MUNDO NOVO, porque este, o actual, está, estupidamente, a autodestruir-se.

Joaquim Carreira Tapadinhas – Montijo – BI 9613- TM 962354823- jcatapadinhas@gmail.com



4 comentários:

  1. O primeiro comentário, não sei porquê, não o consegui publicar. Vamos lá ver agora! Só não concordo com o amigo Tapadinhas quando diz, " Os que detêm o poder não percebem que o mundo mudou e tem de ser orientado por normas diferentes, mais humanas e menos competitivas." Ai percebem!Percebem! Não querem! Se não acaba-se-lhe a mama.No entanto,também acho que um mundo novo será inevitável. Mas, para quando? Para a nossa geração, nem pensar. Nem sei se para as próximas. E a que custos?... No entanto, é nosso dever, persegui-lo. Como o amigo Tapadinhas faz. Grande abraço!

    ResponderEliminar
  2. Caro Amigo Francisco - Tenho sempre muito em conta as observações que faz aos escritos que publico no blogue e agradeço toda a atenção que me dispensa, porque prova que lê os meus desabafos que, muitos vezes, saiam ao correr da pena. Naturalmente que, muitas vezes, para clarificar uma expressão seria necessário um conjunto de outras expressões e daí em diante sairia uma tese naturalmente inacabada. Nem sempre, porque não queremos lançar gasolina na fogueira, aprofundamos e catalogamos com rigor, a acção de muitos responsáveis pela situação portuguesa e, por tabela europeia. Porque ainda penso que alguns destes malfeitores agem por ganância, egocentrismo e estupidez, não lhes ponho o carimbo de que agem por malvadez.Isso seria demasiado num ser humano, porque isso fico-me no campo da dúvida. Quanto à primeira frase deste artigo, eu quero dizer que, embora não seja a norma, muitas vezes, votamos num indivíduo ou num grupo que nos trai. Um abraço universal, e conte sempre com um companheiro na luta por um mundo melhor.

    ResponderEliminar
  3. Bem,devo reconhecer que fui um tanto exagerado e até injusto, ao generalizar.Ponderadamente, como normalmente o faz, o amigo Tapadinhas, pôs as coisas nos eixos. Agradeço-lhe por isso!

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.