terça-feira, 19 de julho de 2016

Mais uma rapidinha deste verão ardente


Para que a austeridade acabe, temos de fazer pelo menos o seguinte: reestruturar toda a nossa Economia em função do Ordenado Mínimo Nacional, repercutindo a sua base como padrão remuneratório sobre todo o mundo laboral, desde a base até ao topo de toda a nossa desgraça colectiva, a fim de eliminarmos todas as gorduras e todos os glutões que tudo arrebanham, enquadrando-os nesta simples e eficaz medida.
Um mau exemplo, igual a tantos, para suprimir: como é possível que um banqueiro – mas há muitos mais salteadores de igual jaez da nossa saqueada arca colectiva – tenha uma pensão vitalícia de 170 mil euros num país de pés-rapados?
Havendo mais equidade e menos corrupção, Portugal será maior e mais farto para com todos os seus filhos.

José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.