quarta-feira, 13 de julho de 2016

País sempre em folga

Portugal é um país com forte intimidatório desemprego. Território privilegiado, cheio de praias para consumo dos que delas desfrutam, porque sempre em folga subsidiada e de marmita cheia, e a abarrotar de turistas endinheirados e refastelados nas esplanadas de costas para os brexit e espreitar apenas os portugexit. Quem assistiu às milhares de horas de reportagem televisiva sobre a coisas da selecção Nacional e a sua natureza, que entupiram as nossas casas que buscavam agulha em palheiro, ou seja, um canal de TV limpo e desocupado do assunto que fez arrastar até presidentes e ministros da nação, constatou que o país está sem trabalho. Nem todos os que prestam contas apreciaram tal manifestação, excepto aqueles que deviam e devem exercer com responsabilidade e seriedade os destinos do torrão de areia que se estende de norte a sul, e dos seus ameaçados interesses, que se agravam grão a grão. Mas o país é feito de desocupados e por isso têm tempo e tempero no bolso, que lhes permite ir a todos os folclores e embandeirarem em arco com carradas alegóricas e bandeiras desfraldadas, para se entregarem ao gozo que só rende e faz felizes, os que embolsam milhões e aos parasitas que os acompanham enquanto adjuntos de sabe-se lá o quê, mas com nome pomposo - staff. Milhares de pessoas, vindas ao que dizem os comentadores, de todos os lados, corriam como desalmados atrás do descapotável autocarro triunfal, atrás de uns "heróis" com pés de barro e feitos de papel de jornal, após esperarem horas a fio num aeroporto que os manteve longe e ao sol, de que os portugueses tanto apreciam. Não. No avião não vinha nenhum cientista, compositor, artista de renome mundial, nem do FMI. Vinha gente da bola, e dos media. O sol nestas alturas não faz mal. É sol de Portugal e não há cancro que nos vença nem médico nem bronzeador preciso nem lembrado. O cancro do desemprego, também está nestes repetidos dias na prateleira, e não é momento para tão profundas e sérias reflexões sobre as suas causas e efeitos. O fado bem trinado é nosso. Chorem guitarras baixinho que não é hora de ir embora. O que é preciso é fazer girar este folclore. É festa, é correria até cair para o lado. O subsídio e a gasolina hão de chegar e a comparticipação estatal, para curar o mal que daí possa resultar. Preocupar-nos para quê se até o presidente anda também no meio desta confusão? Sanções? o que é isso! Bahh! sejamos patriotas pelos menos de longe a longe. Com pessimismos é que não assustamos ninguém e muito menos as Agências de rating, a Comissão Europeia e os seus ministros que nos ameaçam com martelinhos que fazem doer. Sejamos espertos. Praia e folguedo, pipocas, tremoços e francesinhas, ginginha, umas cervejinhas geladas, caracóis, afagados depois por um chupa-chupa do pirata, é que ficará para sempre na história e na memória de um povo... Valente e imortal!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.