quinta-feira, 28 de julho de 2016

Visionário ou alucinado?


Deixei a banca em setembro de 1996. E já dizia que um dia a banca iria vender preservativos, pois o país não comportava tanta banqueta. Mas, quem era eu?
Afinal, 20 anos volvidos, a minha premonição está até ultrapassada. Há bancos que nem dinheiro têm para vender caixinhas com tais elásticos utensílios para se fazer amor em segurança, porque o nosso dinheiro também na banca se eclipsou.
E li, há pouco, que ‘temos banca a mais para a economia que temos’, ao que contraponho: para a economia que temos não teremos banca a roubar-nos cada vez mais?


José  Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.