quarta-feira, 17 de agosto de 2016

UMA CARTA




CARTA A PEDRO SANTOS GUERREIRO - Semanário EXPRESSO

Assunto : "Panama Papers"


Caro Pedro Santos Guerreiro,

Desculpe-me a devassa de lhe entrar assim, de rompante, sem um doutor, um professor doutor, com uma ligeireza a parecer deselegância no tracto. Os títulos atrapalham-me (eu sei, é um problema meu), prefiro a descomplicação dos nomes, facilita a comunicação ,reduz distâncias, anula hierarquias e altares.
Venho à fala consigo para pedir a gentileza de me fazer o ponto da situação relativamente àqueles papelotes que tanto anunciou em tempos recentes. Uns papeluchos escaldantes, prometendo confissões escandalosas (o que me pelo por um bom escândalo!)
Julguei perceber que era uma enorme papelaria, a ocupar muito espaço, resmas e resmas.
Os seus persistentes anúncios, puseram-me curioso, e aguardei a roer as unhas, que fosse feita a revelação prometida (e quem promete, se é cumpridor, da palavra, paga).
O tempo passou, entrámos na "silly season" (cá por mim que ninguém nos ouve, acho  que estamos nela vai para séculos), e nada. Já ganhámos um europeu de matraquilhos, os fogachos andam a fazer das suas, e quanto à papeleta, népias! (que é uma palavrota meio desconxavada, mas gosto dela).
Pergunto-me: será que teve o descuido de deixar a janela do seu escritório aberta, e numa diatribe do vento, o papelame se pôs a fazer de pássaro, a voar para a liberdade, para onde não pode ser apanhado?
Compreendo a sua frustração - eu próprio também estou nesse estado -, tanta novidade a dar, e ela a escapar-se pelos interstícios de uma janela descuidada.
Se ao menos tivesse escrito alguns nomes num caderno, que nos pudesse revelar, só uns, meia dúzia !?
Caro Pedro, agora que somos conhecidos, não levará a mal que de vez em quando me chegue à palavra, a saber notícias suas, cumprimentando-o, e quem sabe um dia destes novos papiros venham pousar na sua mesa de trabalho, e em falando consigo, peço notícias sobre esses conteúdos, picantes certamente.

Venham daí esses ossinhos, e caso seja apropriado, votos de umas boas férias.

1 comentário:

  1. Como sempre um comentário a tempo e horas, só que as entidades a quem é dirigido têm os relógios parados.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.