quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A obra suprema do duriense


Torga chamou-lhe ‘Reino Maravilhoso’,
sendo ‘o mais belo e o mais doloroso
monumento ao trabalho do povo português’,
como Jaime Cortesão explicou alguma vez.
Assim, foram cantadas as paisagens vinhateiras,
em que o clima tem um curto inferno estival
e um cortante Inverno sem fim, para, afinal,
os dois unirem árduas e imensas trabalheiras.
O duriense tenazmente ultrapassa tais infortúnios
e às fragas xistosas arranca o que nelas são ouro,
desenhando rasgados socalcos prenhes de desígnios,
numa mistura agridoce em demanda do tesouro,
em que o suor e as lágrimas são os sacrifícios
contidos no celestial néctar do nosso Douro.
JA

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.