quinta-feira, 8 de setembro de 2016

As democracias ocidentais


As democracias ocidentais, que são as que melhor conhecemos, atingiram o expoente máximo da hipocrisia e de total desonestidade intelectual, em que só os cifrões comandam os políticos, que se alcandoraram nos poderes, eleitos pelo cidadão comum.
Para tais tristes e vexantes exemplos, aqui temos dois que nos dizem respeito:
O primeiro aconteceu com a ‘festa-congresso’ que o governo angolano deu aos ‘democratas’ que, quanto a luvas, negociatas e outras untaduras, acham que ninguém deve dizer aos angolanos aquilo que só os angolanos devem decidir e fazer.
O segundo ‘exemplar’ exemplo diz respeito à ida à antiga Terra de Vera Cruz do actual primeiro-ministro português, o qual, invocando a abertura dos jogos paralímpicos, se vai avistar com Temer, sem temer as funestas consequências do seu acto político, mesmo alegando que temos muitos laços de afinidade e acordos comerciais que não se devem esquecer.
Pelos vistos, tanto da Esquerda como da Direita, todos os políticos, e alguns nem de meia tigela seriam, se põem em bicos de pés, a fim de obterem algumas alvíssaras e boas tenças, como se elas lavassem todos os males do mundo. Todavia, com diz a estafada publicidade, ‘o algodão não engana’!


José Amaral

1 comentário:

  1. O Amigo Amaral sempre atento e a dizer verdades como punhos! O grande problema, talvez insolúvel, é que o poder "enlouquece" os possidentes. Toda a camarilha que rodeou e rodeia o Lula e a Vilma é da mesma índole da que sustenta o Temer. Logo, tudo isto é de temer, porque o polvo tem demasiados braços e tem uma acção que o povo e alguns políticos honestos não conseguem controlar.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.