sábado, 10 de setembro de 2016

Mais um


 Mais um – muito para lá da condição natural da vegetação humana – partiu da nossa visão efémera.
José Rodrigues, o escultor que na Praça da Ribeira, no Porto, elevou ao cubo um Cubo nunca dantes engendrado, deixou-nos pensativos e melancólicos, fracturando ‘os quatro vintes’, para nunca mais voltar à terrena vida que tão bem preencheu com obras suas, que, agora, são nossas, por outorga sua.

José Amaral


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.