sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Numa casca de noz

Costumo comprar o Público e, sem falta, no dia do meu aniversário. Pois foi o que fiz também este ano.
Folheio com atenção, desde a primeira página até à última, sem deixar de ler cada título desta edição.
«A música a bater o pé pela igualdade» de género, remete-me para o Ípsilon que abro antes de virar para a segunda página. Mas no suplemento, detenho-me, sobretudo, no artigo sobre o novo livro de Ian McEwan, de quem li Expiação neste verão. Registo esta sugestão de leitura porque me parece muito interessante que o narrador de Numa Casca de Noz (Gradiva) seja um feto prestes a nascer, que apreende tudo no interior da mãe! O livro, segundo a recensão de Helena Vasconcelos, aborda este nosso mundo de avanços e recuos civilizacionais, num tempo em que sabemos tanto mas, ao mesmo tempo, nos tornamos cada vez mais violentos e impiedosos, e um mundo, também , de "possibilidades infinitas" ao nosso dispor!
Volto ao diário e leio que a Europa precisa de quem saiba construir pontes e o cenário que envolve Merkel, Hollande e Renzi é o castelo de Bratislava e o mar ... o que será da Europa depois do "Brexit"? Continuo a folhear sem grande interesse nas notícias até à página 22: "maior campo de refugiados do mundo está a ser esvaziado à força". Na Europa e na Assembleia das Nações Unidas (próxima semana) a situação dos refugiados está em cima da mesa , no Quénia promete-se fechar o campo de Dadaab, que já recebeu mais de 500 mil pessoas. Para onde vão estas pessoas? Obama dispõe-se a receber nos EUA 110 mil refugiados ao longo do próximo ano...quando já não terá de tomar decisões políticas, essas nas mãos de Trump ou Clinton - "em forma", segundo os médicos. Estes candidatos já se veêm na necessidade de tornar publico o seu estado de saúde!
Em dia de comemoração do meu nascimento, talvez me dê a minha própria a prenda de  Numa casca de Noz e vá ao encontro da minha mãe e do meu pai!

8 comentários:

  1. Dou-lhe os meus sinceros Parabéns, neste dia feliz, e que vá encontrando forças para enfrentar, e vencer, todas as batalhas que estão no caminho dos mais jovens e responsáveis, que é a geração dos quarenta. Os mais velhos estão de abalada e os mais novos ainda não se aperceberam dos problemas que este mundo enferma. Logo, é vossa geração que tem que remediar os males, que a inoperância e a insensatez de muitos dos mais velhos, criaram. Do coração, desejo-lho as maiores felicidades, extensivas a toda a família que a rodeia. Um abraço lusitano.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Joaquim!!! Do fundo do coração!

    ResponderEliminar
  3. Parabéns Céu! Desejo-lhe muita saúde e disposição para continuar o seu empenho de intervenção cívica.É de pessoas que não se acomodam que este país e o mundo precisam.

    ResponderEliminar
  4. Um pouco atrasados aqui vão os meus sinceros parabéns. Muitas felicidades.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns, Maria do Céu! Que tenha um dia muito feliz junto dos seus. Bjs

    ResponderEliminar
  6. Parabéns, por mais um ano e por mais um oportuno texto.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.