quarta-feira, 7 de setembro de 2016

“Ponte sem ‘dono’ tem cada vez mais buracos”


Este título jornalístico diz respeito à sempre enjeitada Ponte do Infante, que liga Gaia/Porto, que não tem calafates à altura de lhe taparem tantos buracões.
Este continuado e esburacado assunto, que dura mais que a pilha alcalina de uma propalada marca publicitária, é bem o exemplo gritante do negativismo acerca do retalhamento autárquico do país, com patrões, patrõezinhos, caciques e todo o género de gosmas por tudo quanto é sítio, muito pior que uma praia apinhada em dias de verão, uma vez que todos estes gamelistas dão-nos uma despesa pública cada vez mais incontrolável.
Então, aqui está a solução, e para a ponte também: o dito Grande Porto deve ter só uma Câmara Municipal, assim sucedendo com a Grande Lisboa, e assim, sucessivamente.
Há câmaras a mais; existem outras autarquias que não têm pernas para andar, pois nem uma vivalma têm.
O que precisamos é de lojas do cidadão dispersas por todo o país. O resto é paisagem – sem incêndios –, evitando-se assim a voragem constantemente acelerada dos bens públicos.
Não sabem já que, com tanto retalhamento, é como ‘dividir para reinar’ e roubar?
E já deveriam também saber, senhores de todos os poderes e de poleiros mil, que o latifúndio é muitíssimo mais rentável que o minifúndio? Portanto, para quê termos um país tão retalhado?
Assim, senhores autarcas, autarquistas e demais malabaristas, se ‘grão a grão a galinha enche o papo’, o fundo comum da nação, a dar tanto grão a quem não o granjeia, fica sem dar o pão a quem bem o merece.
A Bem Mal da Nação por tanto mau despesismo e incúria colectivizadora.


José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.