terça-feira, 20 de setembro de 2016

Se for necessário, então, vivamos ‘orgulhosamente sós’


Que me desculpem os entendidos, que certamente não o serão tanto assim, pois verifico que por mais voltas que se dêem com engenharias financeiras, Portugal, tal como está a ser governado, seja por quem esteja no poder, não terá condições de viver dependendo de si mesmo, se continuar a ser sugado, eufemisticamente roubado, como tem sido até aqui.
Os portugueses, no seu conjunto, não conseguem viver com o que produzem, pelo que não é lógico viverem à custa dos outros, numa subsidiodependência que raia o crime instituído.
Isto é, têm de se reduzir drasticamente todas as mordomias a que uns tantos são ofertadas de mão beijada, apesar de todos eles afirmarem que são direitos adquiridos.
Se se pagam escandalosas reformas que podem ir até 170 mil euros/mês, por que não reduzi-las a um máximo muitíssimo mais baixo, dado que tais beneficiados já ganharam na vida activa o suficiente para não morrerem à fome ou à sede, uma vez que na vida eterna não existem paraísos fiscais, penso eu?
E sobre a evasão fiscal, condene-se a desonestidade, indo ao cerne da questão, em que uns tantos entendidos ensinam o modo ‘oficial’ de se fugir aos impostos, escondendo a riqueza ilicitamente acumulada, em que muitos escritórios, onde proliferam fazedores e intérpretes de leis, tais más práticas ensinam.
Resumindo: assim, num equilíbrio são, sucessivamente se pode viver com o que produzimos, não dando a uns o que falta à maioria.
Se for necessário vivermos ‘orgulhosamente sós’, então faça-mo-lo, sem medos do passado, confiando e acreditando, com toda a honestidade, apenas no futuro.


José Amaral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.