quarta-feira, 19 de outubro de 2016

A PERGUNTA DE ALMEIDA GARRETT

A organização não governamental Oxfam aproveitou a realização do Fórum de Davos, por onde passam algumas das personalidades mais poderosas do mundo, para divulgar um importante relatório sobre a desigualdade no mundo de hoje (Working for the Few). A informação é absolutamente esmagadora e conta-nos algo que todos já começámos a saber não só pelo conceito, mas também pela experiência. Depois de 30 anos em que as políticas públicas do pós-guerra, a nível global, ajudaram a diminuir a desigualdade, entrámos num ciclo inverso, em que o Estado se tornou instrumento dos ideólogos do "neoliberalismo" económico. A riqueza cresceu, mas a desigualdade, essa, explodiu numa aceleração exponencial. O capitalismo financeiro, na sua desmesura devoradora de recursos naturais e capacidades huma- nas, sob o pretexto de ajudar o "Terceiro Mundo" a sair da pobreza, acabou por criar dois buracos negros para onde o planeta caminha: o da crise ambiental e climática e o da crise da injustiça social e da desigualdade. Quando verificamos que na própria Europa a pobreza se dissemina como um vírus, percebemos que hoje não faz sentido falar de "Terceiro Mundo", porque esse é o único mundo que existe...O relatório conta-nos que 85 super-ricos possuem a riqueza correspondente à da metade mais pobre da população mundial. Isso responde à pergunta formulada por Almeida Garrett em 1846, nas Viagens na Minha Terra: "E eu pergunto aos economistas, políticos, aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso condenar à miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta, para produzir um rico?" Em 2014, um super-rico custa a miséria de 41 176 000 infelizes...
Viriato Soromenho Marques in DN 19.10.16

2 comentários:

  1. O desaparecimento da URSS e de outros países socialistas na Europa, ajudou e ajuda ao regabofe capitalista, que na sua vertente agressiva e militarista já põe em causa a paz no Mundo. Esse excerto do capítulo III de «Viagens da Minha Terra» de Almeida Garrett é um bom tema de debate para as escolas.

    ResponderEliminar
  2. Tenho aqui um escrito " Vislumbram-se já os Cavaleiros do Apocalipse" com citações de ameaças a quem também tem meios para provocar o holocausto. O capitalismo chegou à fase superior monopolista, ao apogeu, e há potências imperialistas que ao degladiarem-se, podem efectivamente provocá-lo. E a mais agressiva, só não vê quem não quer, ou, por preconceitos, não quer ver.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.