quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Ando fugido da Morte


Ando fugido da Morte
Desde o dia em que nasci,

Na esperançada sorte

Pensar que já morri.
Anda sempre a espreitar
Numa suprema desculpa,
Mas temos que a fintar
Pois dela nunca é a culpa.
Temos aprazado destino:
Nascer para morrer;
Tenhamos na Vida tino
E ninguém fazer sofrer.
Que a nossa recordação
Seja o mote vivencial:
Uma lágrima de emoção
É tudo para um mortal.
JA

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.