sexta-feira, 7 de outubro de 2016

CERVEJA

cerveja
uma após outra
é só levar o copo
à boca
às vezes treme-se
mas agora está-se melhor
também para levar
essa vida de escravos...
deixa-me rir
há dias em que bate mais
depressa
bastam quatro ou cinco
outros em que é preciso
ir até às doze
cerveja
estou como Bukowski
esta gente não evolui
sempre na rotina
eu acordei aos 17,18
com Morrison
com os UHF
hoje iria de copo em copo
noite fora
desculpa lá, ó Rocha,
agarra-te à lituana
são todos tão lentos
e eu rebento
estoiro
vou à velocidade da luz
patetas,
não vos entusiasmais
não celebrais a vida
é só publicidade
e treta
falta o grande xamã
a hybris
a velha liberdade
quando falais
eu já estou no infinito
não vivo aqui
só a minha loucura
é real.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.