sexta-feira, 28 de outubro de 2016

E o ladrão do século é:


A benevolente, a sempre generosa e cega justiça portuguesa, apesar da ‘perigosidade’ deste marginal, libertou o apelidado ‘ladrão do século’, o qual em três (!!!) ousados assaltos, teve a audácia de roubar a ‘astronómica’ quantia de, imagine-se, 14 euros, que dão 1 400 cêntimos, uma fortuna acima da média daqueles ‘pobres’ que colocam as suas ‘magras’ poupanças em paraísos fiscais.
Em troca da sua liberdade, tal ‘facínora’ terá de cumprir 480 horas de trabalho comunitário, o que sai à razão de quase 3 cêntimos/hora.
Agora, não brincando como brinca a justiça com os fracos e se verga perante os fortes, o caso do Manuel Valente, de 32 anos de idade, que o MP queria que continuasse nas grades, ao invés do colectivo de juízes do Tribunal de S. João Novo, perguntamos: a quantos séculos deveriam ser condenados e encarcerados os banqueiros que saquearam milhões e milhões deixando o país de tanga e o contribuinte a pagar com língua de palmo o que não pediu?


José Amaral

1 comentário:

  1. O nosso preclaro Amigo tem toda a razão, mas em Portugal, no campo da JUSTIÇA e em quase todos os outros, continua a chover no molhado. Começa a ser enervante toda esta falta de rigor.

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.