sábado, 29 de outubro de 2016

FALTA A VERDADEIRA VIDA

Comemo-nos uns aos outros, como diz o padre Mário de Oliveira. Estamos na corrida, na selva, na luta pela existência. As relações de trabalho são de escravização, exploração e intriga. As relações pessoais são, muitas vezes, hipócritas, de interesse, de compra e venda. Vai rareando a fraternidade, o abraço, a alegria à solta. Falta o grito animal, de libertação, de revolta. Reinam o conformismo e a doença. Falta o sopro de Jesus, a dança de Zaratustra. Falta a verdadeira vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.