sábado, 29 de outubro de 2016

O país e as suas gentes

Partindo do princípio – ainda não provado até ao momento - segundo o qual o OE 2017 virá sobrecarregar Portugal com impostos e taxas, há muito quem, beatificamente, se questione quanto à viabilidade do país e da economia no futuro. Recordando Luís Montenegro (PSD), para quem era óptimo que o país ficasse bem, mesmo que as pessoas estivessem mal, ocorre-me perguntar se semelhantes pensadores se afligiram com as privações de que tantos sofreram nos recentes “anos de chumbo” (que ainda não acabaram, pelo menos para os que desmaiam, por falta de pequeno-almoço, nos transportes e nas escolas). É irrealista um OE que suaviza os cortes, ousa alguns aumentos de rendimento, e, por outro lado, é realista, ponderado, o que condena os concidadãos à fome e à pobreza? Repudio tais “realismos”, e só espero que o PCP e o BE, ainda que possam parecer “convertidos” pela habilidade negocial de António Costa, prossigam na sua visão de que, tal como as coisas estão, prioritário é evitar-se a todo o vapor o regresso da caranguejola que confundiu progresso com marcha-atrás.

Expresso - 29.10.2016

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.