sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Todos ganhamos

Todos ganhamos?
Na edição de ontem,o Público faz
capa com letras garrafais onde realça
a eleição de AntónioGuterres para a
Presidência da ONU, cujo cargo deve
valer tanto como o do vice-presidente
de F.Roosevelt, que pensava dele, valer apenas
“um balde de mijo quente”.
Mas para entreter o pagode português,
qualquer corridinho também
serve para ofazer dançar ou trazer
anestesiado. E então para dar maior
relevo a tal eleição, tipo concurso de
showbusiness, recorre à opinião de
DurãoBarroso,como se membro de
júri se tratasse, e autoridade, a pronunciar-
se.Ora,o povo,que vê este
desertor  a roçar o crime, como sujeito
intratável,não percebe as escolhas
do jornal.Como é que“todos ganhamos
com critérios e opiniões”
feitas por indivíduos desta estirpe?
Cabe aoPúblico investigar e puxar a
descoberta para capa na próxima
edição?
(Destak-07/10/2016)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.