quinta-feira, 10 de novembro de 2016

"As elites não estão à altura do que somos"

Ainda há pouco tempo, o recém aclamado Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmava: “as elites portuguesas não estão à altura do povo que somos”. Mas não só, também na Europa e nos Estados Unidos. E como se pode constatar, o povo está mais chateado com a elite política do que com a elite económica.
A vitória de Trump só foi uma surpresa para os ‘românticos’, para aqueles que acreditavam que Clinton ganharia, só porque sim. De 1989 a 2009 duas famílias governaram os Estados Unidos, os Bush e os Clinton, agora seriam mais quatro anos a juntar a esses 20. Já se falava, e agora com esta derrota de Clinton, talvez Michelle Obama concorra em 2020, e queira juntar mais 4 anos aos 8 do seu marido, o que faria que em 36 anos, com 4 anos de interregno do Trump, os Estados Unidos fossem governados por 3 famílias!

A derrota de Clinton, para além de se dever ao facto de ser a candidata do sistema, também se deve à desilusão com Barack Obama, muitos pensavam que só por ter uma cor de pele diferente, as coisas seriam diferentes. Não foram. E muitos, desiludidos, não foram votar, porque também não votariam Trump, ficou ele a ganhar.

Até o filósofo Zizek, marxista e anticapitalista disse (contraditoriamente) que se pudesse votaria Trump, para que os partidos voltassem à origem, para que pudessem repensar e mudar algo, para provocar um despertar e colocar em marcha um novo processo político.

São as ‘famílias’ (às vezes até com os periquitos incluídos) de políticos profissionais, que não fizeram outra coisa na vida, que criaram fenómenos como Farage e Trump. Foram elas, que sendo coniventes com o poder económico, não permitiram a distribuição justa e por todos, do produto do sistema em que vivemos. Não acabámos com a Monarquia para ser novamente governados por famílias, é preciso refundar a República! Mas ainda assim, estas ‘famílias’ se interrogam o porquê destes acontecimentos..

Dario F. Ruivo

1 comentário:

  1. Se "refundar a Republica" significar mudar de sistema, concordo. Sistema capitalista, evidentemente. Mas este, não se refunda...

    ResponderEliminar

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.