quarta-feira, 9 de novembro de 2016

E Trump ganhou!

A partir de hoje, não vão faltar os "inteligentes", que ao jeito de camaleões vão jurar que apostaram todas as fichas em Donald Trump, o candidato dos republicanos à presidência dos EE.UU, e que ele seria o vencedor das eleições que tiveram lugar naquela nação indecifrável. Nação que faz a cobertura do mundo, o ameaça, o destapa, o encobre, o investiga por todos os meios e armas de que dispõe, e ...o persegue e mata se lhe desobedecem. Nação racista, xenófoba, sexista, demolidora de vidas e construtora de marginalidades negras. Tudo lhe é identificado como sendo a Nação do Mal. E é, mas não só. Os países que se ajoelham diante dela, estiveram até à última hora, com o poder estabelecido e com a candidata à cadeira presidencial - Hillary Clinton - mulher do homem que ocupou a Sala Oval com uma estagiária num jogo sem cuecas, que a moral dos "States" repetidamente condenou ao candidato agora eleito, o multimilionário imprevisível Donald, que levou a vida a construir torres de luxo, e casinos aonde rola o dinheiro, sem precisar de grandes discursos e de pop star´s  a rodeá-lo e a preparar-lhe a vitória, dita preocupante, perigosa, e a partir de hoje só expectante. Ele é que provou agora que sabe dar música aos que o enxovalharam e o ridicularizaram. Os "media, comentadores vindos de toda a parte, especialistas mais sofisticados, TV´s de todas as cores e formatos, analistas de dentro e de fora com assento e aceitação nas redacções dos diários", todos capricharam em apoiar a cínica, hipócrita e viciada política, Hillary Clinton. Todos lhe encontraram virtudes, tais como experiência, inteligência, e muito mais outras... ências. Todos perderam, tal como perdeu estrondosamente o ainda presidente negro, Obama e sua mulher, que deram corpo e alma, que arriscaram o seu apoio à medíocre mulher que pertence ao seu aparelho partidário e promissora continuadora dos mesmos objectivos políticos.  Trump, sabendo melhor do que todos o que é uma empilhadora, um guindaste, soube usá-los para chegar ao topo da casa mais apetecida- a Casa Branca. Ele saberá ocupá-la com a sua bela mulher Melania, que também dará outra beleza à Sala Oval - a sala dos suspiros. Deixem o homem trabalhar!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.