sábado, 12 de novembro de 2016

JESUS, NIETZSCHE, BAKUNINE

Uma fusão de revolução com espiritualidade. Uma fusão de Jesus, com Nietzsche, com Bakunine. São tempos perturbados estes em que os populismos e a extrema-direita ganham terreno. Mas, por outro lado, o "establishment" desmorona-se. Não tememos o caos. Pelo contrário, entendemos que o caos, que o confronto conduzirá à revolução. Entendemos que isto bateu tão baixo- relações de compra e venda entre as pessoas, esquizofrenia generalizada, fascismo e xenofobia, desigualdades e miséria, alterações climáticas- que um dia dar-se-à a ressurreição. Se não, de facto, o homem vai destruir-se. Por isso achamos insuficiente uma análise meramente económica ou até mesmo apenas política dos factos. É preciso atender a factores filosóficos, psicológicos, sociológicos, espirituais. É preciso atender ao grito pelo amor, pela liberdade absoluta. É preciso ir até ao "homo sapiens-demens", à hybris, à desmesura. Não somos autómatos nem mercadorias. Há uma parte de nós que ama o caos e a festa. Não somos sempre guiados pelo racional, pela eficácia. Por isso precisamos de poetas, de xamãs, de profetas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.