quarta-feira, 9 de novembro de 2016

OS TROVÕES






Não há novidade, esperava-se que fosse assim.
Ganhou o rasteiro, o rude, o vil, o intolerante, o bárbaro.
A moral da história é um conto para diminuídos mentais ou indivíduos que bateram com a cabeça num vaso de gerânios (gosto de gerânios) e apagaram-se de inteligência.
O Bem e o Mal são mitos urbanos, que só servem para entreter comentadores desportivos em programas televisivos: grandes efabuladores de cabalas, e teorias da conspiração.
O mundo está assim, a caminhar para o abismo, mas não haja falsas ilusões: ninguém está a mandar ninguém para o abismo. Estamos todos a atirar-nos de cabeça, porque queremos. Não sabemos é porque queremos e o fazemos.
Os tambores e os tacões das botas pretas já se ouvem ao longe, alguns sentem já os estremecimentos inusuais da terra. Mas ninguém liga, não é connosco.
É com quem? Não interessa, não é connosco até acordarmos com a bota a pisar-nos as ideias, entupindo os pensamentos, impedido as palavras de saírem à rua. Se isso vier a acontecer vamos culpar os vizinhos, que também estão deitados no chão frio da rua com a sua cabeça pressionada pelas mesmas razões, as das botas pretas.
Hoje é um dia muito mau, mas não há nada a fazer, pois não?


1 comentário:

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.