sábado, 26 de novembro de 2016

Pós-verdade

O mundo está sempre em mudança, desde Camões que o sabemos. Já quase nada nos surpreende, mas, às vezes, contrariando Lavoisier, do nada parecem sair coisas novas. Por exemplo: a “pós-verdade”. Não é fácil definir o conceito e, rapidamente, podemos cair na conclusão de que o “pós-verdade” é o mesmo que… mentira. Óbvio: se fosse mesmo verdade, o que é que lá está a fazer o prefixo “pós”? Preferia que lhe dessem o nome de “pós-mentira” porque, afinal, não passa mesmo de uma mentira, embora deva ser tomada como uma verdade. Ou melhor, é uma mentira que não tem importância, não conta para nada. Parece que as redes sociais (sempre elas…) são useiras e vezeiras nestas artimanhas modernaças e, nos USA, até há mentirosos profissionais que exploram estas ferramentas e as introduzem nas campanhas eleitorais. De pouco vale, agora, que alguns se arrependam do voto que depositaram em Trump por pensarem que o Papa Francisco lhe tinha dado apoio. Afinal, era só uma “pós-verdade”. A propósito: por que é que a Melania Trump retirou do seu curriculum a licenciatura (que, ao que parece, não tem)? Era só outra “pós-verdade”, inofensiva e pequenina…

Expresso - 26.11.2016 - truncado das partes sublinhadas

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caro(a) leitor(a), o seu comentário é sempre muito bem-vindo, desde que o faça sem recorrer a insultos e/ou a ameaças a quem quer que seja. Não serão considerados os comentários anónimos. Obrigado.